Compartilhar
Facebook
Twitter
Anfarmag contesta defesa de atletas
19/07/2018

A Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag) deixa explícita a indignação quanto a qualquer alegação de que exista risco indiscriminado no setor de farmácias de manipulação. Contaminações acidentais são uma hipótese extremamente improvável, haja vista o rigor sanitário ao qual o setor está submetido. As farmácias são estabelecimentos de saúde regidos por mais de 1.000 itens previstos na regulação sanitária brasileira específica para a atividade.

São regras claras que garantem a qualidade do produto manipulado e inviabilizam a ocorrência de contaminações acidentais. Portanto, o argumento de contaminação não é factível.

Nos últimos 7 anos, cerca de 20 atletas se valeram do mesmo argumento para tentar escapar da punição por doping. O intrigante é que a lista de substâncias proibidas no esporte é enorme, mas, em todos esses casos, a alegação dos advogados foi de contaminação por apenas duas classes de substâncias: hormônios anabolizantes e diuréticos (ambos presentes no caso do lutador Anderson Silva). Justamente os fármacos cuja hipótese de contaminação seria ainda menos possível:

  • Anabolizantes são substâncias preparadas em cabines isoladas e estão sujeitas a controle especial pela Anvisa, o que impede qualquer contato com outros fármacos no laboratório.
  • Já no caso dos diuréticos, trata-se de uma categoria de medicamentos com índice de uso muito baixo nas farmácias de manipulação: dados coletados ao longo de 12 anos mostram que eles representam menos de 1% das formulações preparadas nesses estabelecimentos.

Diante disso, a Anfarmag entende que é hora de dar um basta em alegações que coloquem em cheque a confiabilidade de todo um setor. Qualquer suspeita de irregularidade deve ser apurada a fundo, com rigor, e esclarecida de forma prioritária.

A associação está à disposição das autoridades brasileiras e internacionais para contribuir com as investigações. Fica também à disposição da imprensa para esclarecer de uma vez por todas qualquer dúvida que reste em relação aos processos de obtenção do produto e do medicamento manipulado.